Arquimedes da Silva Santos

Imagem de Rui Cena

         A vida/obra de ASS tem evolvido em profunda interação dos âmbitos científico e artístico, neste por publicações e intervenções em teatro e crítica de música. 

  • Nasceu em 1921 na Póvoa de Santa Iria.
  • Licenciou-se em Medicina com o Curso de Ciências Pedagógicas pela Universidade de Coimbra.
  • É o primeiro tradutor de Lorca, que representa, assim como protagoniza Gil Vicente ou Raúl Brandão. Dirigente do MUD, sofre prisão pela PIDE. A sua Esposa Maria Luísa Duarte Santos é heroica, apoiando-o.
  • Poeta do Neorrealismo, escreve desde os anos ’40; publica Voz Velada, Vértice 1958; Cantos Cativos, 1938-1958, só serão editados pela Portugália em 1967; e afirma-se como Resistente pela liberdade de pensamento, alguns dos seus poemas sendo orquestrados por Lopes Graça.
  • Foi inscrito na Ordem dos Médicos, e em 1959, no Quadro de Especialistas em Neuro-psiquiatria Infantil. Nunca lhe sendo permitida a carreira hospitalar oficial, manteve Consultório de Arte-Terapia e exerceu medicina até avançada idade, de portas abertas dia-e-noite aos locais da Póvoa de Santa Iria.
  • Bolseiro do Governo Francês para aperfeiçoamento em Pedo-psiquiatria e Psicopedagogia na Salpetrière e na Sorbonne (1962-1964), veio a ser Assistente estrangeiro na Faculdade de Medicina de Paris, obtendo o Diploma daquela especialidade. Chega a cursar sobre Doenças Tropicais, na intenção de ir para o Ultramar, mas o nascimento da primeira filha afasta esse projecto.
  • Assistente e Docente no Centro de Investigação Pedagógica do Instituto Gulbenkian de Ciências (1965-1974), aí cria – e leciona – a disciplina de Psico-pedagogia da Expressão Artística.
  • Funda, é Professor e Presidente do Conselho Pedagógico, da Escola Superior de Educação pela Arte do Conservatório Nacional de Lisboa (1971-1984), donde derivariam disciplinas de Expressão – (Movimento, Música e Drama) além da Educação Visual – das futuras Escolas Superiores de Educação.
  • Comparticipa, com Madalena Perdigão, o Plano Nacional de Educação Artística, 1978 – que oficializa os conceitos de educação pela arte – educação para a arte.

 

  • Foi Professor-coordenador e Presidente do Conselho Artístico-Científico da Escola Superior de Dança do Instituto Politécnico de Lisboa (1986-2000).
  • É eleito Presidente Honorário da Assembleia Geral e é sócio nº 1, do Movimento Português de Intervenção Artística e Educação pela Arte (MOVEA).
  • Conferencista em numerosos Congressos, destacar-se-ão: Encontro Nacional de Educação Artística, FCG 1971; Colóquio Juventude e Educação Estética, trans-Expressões, que co-coordenou (c/ E. Oliveira) na FCG-CAM, 1985; 3º Congresso Europeu INSEA/APECV/FPCE.UL, 1994; e Encontro MPIAEPA, no Instituto Piaget,

    Almada, 2010. É também Sócio Honorário da APECV.

  • Tendo convivido com Redol, Soeiro, Cunhal e outros escritores Neo-realistas, é co-fundador do Museu do Neorealismo de Vila Franca de Xira, com Exposição sobre a sua obra na Inauguração; e ao qual vem doando o seu espólio.
  • Da sua vasta obra de reflexão-acção científica, especialmente desde Perspectivas Psicopedagógicas¸ Livros Horizonte, 1977, o livro antológico mais recente é Mediações Arteeducacionais. FCG 2008. Mas publica ainda Poesia, a obra mais recente sendo o seu primeiro livro de poemas – Plinto –, dactilografado em 1944 e só editado pelo Museu do Neorealismo em 2017.
  •  Tem inspirado e sido referenciado em incontáveis Mestrados e Doutoramentos nacionais; e alguns estrangeiros, nomeadamente no Brasil. 
  • Foi agraciado pela Presidência da República:

         – em 1998: Comendador da Ordem do Infante D. HenriquePela relevante actividade pedagógica e docente, em particular pela sua acção no domínio da pedopsiquiatria e pela sua empenhada intervenção em prol do desenvolvimento da arte na educação e da educação pela arte

         – em 2001: Grã-Cruz da Ordem da Instrução Pública.

  • Está Homenageado com estátua em Jardim público, junto ao olival dos Resistentes, na Póvoa de Santa Iria (25 Abril 2008)

Por: Elisabete Oliveira